quarta-feira, 10 de março de 2010

Os Deuses e a Administração - Apolo


"Apolo nasceu iluminado e por isso era considerado a verdadeira luz e o próprio sol. Sendo criado com o néctar dos deuses, tornou-se um belo jovem que após guerrear e vencer uma serpente ganhou de seu pai, Zeus, a mitra e a lira que transformaram-se em seus símbolos visíveis.


Em sua arrogância e prepotência, enfrentou o Cupido, dizendo-lhe ser afeminado e sem habilidades com a flecha. Como vingança, o Cupido lançou-lhe uma flecha de amor ao mesmo tempo que lançava uma de desprezo à ninfa Dafne, o que ocasionou longas perseguições por parte de Apolo e fugas da ninfa. Por mais que procurasse, Apolo não conseguia encontrar nenhuma falha ou defeito em si próprio que justificasse a fuga de Dafne, criando dessa forma o culto à beleza e à perfeição que é associado à sua figura.

Por ser considerado a personificaçào do Sol, era o deus-patrono, guerreiro sagaz reconhecido como tal por seu pai Zeus e por isso o deus da ordem e das regras. A figura do templo grego também representa essa beleza e força em seus pilares.

Essa cultura baseia-se mais em funções e tarefas a serem cumpridas do que nas personalidades ou pessoas que compõem a organização, sendo o homem racional e determinado pela lógica, onde o fluxo do trabalho é descrito em normas e procedimentos formalizados em manuais com um sistema de funções prescritas. É um tipo de cultura que se aproxima da burocracia idealizada por Max Weber.

Assim como o sol nasce a cada dia, este tipo de cultura assume que o amanhã será igual ao ontem, sendo a estabilidade e a previsibilidade assumidas e encorajadas. Assim como no taylorismo, os indivíduos na cultura-de-função são partes integrantes das máquinas, sendo irrelevante seu nome ou sua aparência.

A previsibilidade e a estabilidade geram uma sensação de bem estar, um sentimento de segurança fazendo com muitos funcionários se enquadrem neste perfil e relutem em sair deste templo protetor e acolhedor. Muitas organizações públicas, companhias de seguro, monopólios e empresas públicas encontram-se neste tipo de cultura. E é compreensível o esforço que todos, dirigentes e funcionários, fazem, para que permaneça este estado estável, onde a turbulência do mercado não poderá atingi-los.

Organizações complexas, com um longo histórico de sucesso, freqüentemente baseado em um único produto também se rendem à este modo de pensar. Quanto mais racional, codificada e padronizada for a função, mais eficiente será a organização, e um dos seus maiores temores é a mudança, que será ignorada o quanto for possível e depois a reação será a tentativa de manter os pilares firmes enquanto a terra treme e não a tentativa de acompanhar os tremores.

Na cultura-de-função, os funcionários esperam que seus dirigentes digam exatamente como devem agir, quais as tarefas devem ser executadas e em quanto tempo. Caso isso não ocorra, ficam perdidos e sem rumo, uma vez que a criatividade nunca foi incentivada. O poder está no topo das organizações e a ascensão depende da agregação à um dos pilares que conduzirão o funcionário o mais próximo possível deste topo."

Próximo Post: Atena e a Cultura de Tarefa

Um comentário:

REGINA GOULART SANTOS disse...

Claudia Bins.
Cultura, conhecimento, sensibilidade, são fontes inesgotáveis de puro prazer.
Interessantíssimo a visão adminstrativa em relação a mitologia ligada às grandes empresas e seus dirigentes. Liderança é um fator de grande importancia.
Saber delegar e decidir na hora certa é um pressuposto de admissibilidade para a qualidade e crescimento de qualquer empresa, inclusive seus funcionários.
Com toda certeza, voltarei muitas vezes.

Beijos